Praga de BBB pega

Assim como praga de mãe, catiça de BBB também pega.

Logo que foi queimada no primeiro paredão, a modelo-atriz-universitária-que-mora-sozinha-num-flat cochichou no ouvido do Boyzinho ZL: sai logo!

Ahá! Não deu outra! Na semana seguinte o aspirante a pitboy estava na rua.

E agora, quem vai? O mocinho Guaranita tá na parada.

Latoya e Pretty Woman

Ah, Naomi, Naomi. Ganhou sobrevida, hein? Vê se te emenda e entra na brincadeira. Foi na sorte. O povo de dentro queria te botar pra fora. O povo de fora também. E tu acabou ficando. Foi na sorte? Ou será que estava pra estourar alguma bomba da modelo e estudante e ela foi, delicadamente, descartada antes que falasse besteira? Vai saber.

Ponto pro Batata, filhote de Léo Jaime com Danny De Vitto, que atirou certeiro. Atirou e tirou. Foi na sorte? Ou será que o cara, acostumado à rotina do supermercado, aceita encomendas?

Fato é que a mocinha tá fora. E a irmã do Michael Jackson segue na lida com a chapinha improvisada.

Pontinhos

 

O que é, o que é?

Um pontinho vermelho na beira da piscina?

Baixinho só perde se tiver ataque cardíaco

 


Pronto, acabou o jogo.

Assim como entrou pra bagaça com um único telefonema e levou a coroa no primeiro palpite das bolotas, o baixinho já faturou um milhão de reais.

Só perde o prêmio se tiver um ataque cardíaco nas próximas doze semanas.

Gente boa, carismático, periferia, católico, amigo da criançada e indiscutivelmente rabudo, conquistou simpatia imediata do público e até dos adversários.

Agora é só segurar a onda.

E malhar, de leve, pra que a pressão alta não cause o Efeito Marielza no Batatinha.

Perfil

Lorinha gaúcha, recém chegada a São Paulo, universitária, 1m70, seios turbinados, modelo de revista masculina, apresentadora de programa de namoro por celular e promotora de eventos.

Não, gente, não é nada disso que vocês estão pensando. Trata-se apenas do perfil de uma moça que quer ficar milionária.

Nada a ver com profissões antigas.

O quente, agora, são as profissões modernas, como monge e motoguel.

 

Só mais um?

Todos preparados? Então vamos lá. Começa a penúltima temporada do seriado "Parque Andrológico".

Penúltima? Acontece que a TV comprou os direitos do jogo até 2007.

Mas do jeito que dá lucro é bem capaz de comprarem licença eterna e o programa virar uma tradição anual, tipo Especial Roberto Carlos de Longa Duração Para Nossos Verões Chuvosos.

Exame dermatográfico

Partindo da premissa que as inscrições por telefone são coisa séria, dois rabudos serão sorteados amanhã, no primeiro dia da nova versão do zoológico humano.

Até quinta-feira, dia do enjaulamento, passarão por rápidos exames físicos e psicológicos e receberão orientações de comportamento.

E aposto: terão de tirar a roupa para o exame de tatuagens. Se algum deles apresentar uma suástica gravada na pele será gentilmente expulso, sob alegação de ser amigo ou parente de alguém da casa.

Como se isso fosse motivo.

Ressuscitei

Voltei ao mundo dos vivos e dos voyeurs, conforme profecia do post anterior, de oito meses atrás.

O motivo? Óbvio: mais uma edição da fabriqueta de celebridades se aproxima. A companhia de TV a cabo já está faturando com a venda de pacotes, a empresa telefônica não sabe onde enfiar tantos centavos obtidos nas inscrições e os anunciantes estão finalizando suas vinhetas criativas.

E as vítimas, digo, os escolhidos, na certa já sabem que são os escolhidos e malham para deixar corpitchos enxutos.

E os telespectadores, digo, as vítimas, estamos prontos para mais uma maratona de tédio.

E mais tédio: com o chuveiro no jardim, dificilmente as mocinhas vão se esquecer que são vigiadas durante o banho. Lá se vão os closes de peitinhos.

Acabou pra você, que é um telespectador ingrato

SÓ EXISTEM DOIS TIPOS DE PÚBLICO

Quer combinação melhor para um programa de TV que audiência e faturamento altos? Pois é, foi a soma desses números que fez a emissora garantir mais duas edições da novela de realidade, para 2006 e 2007.

É pouco? Tá bom, tá bom: estão negociando mais uma para 2008 também.

O modelo já deu certo, não há como negar, e o receio, agora, é que se torne o sucessor das novelas com atores profissionais na abdução diária de milhões de cabeças passivas. Cabeças que se entregam à absorção de conceitos morais definidos por regras de consumo, que se acomodam ao assistir um resumo diário da vida que gostariam de estar levando. Esse gerúndio pode.

A nova novela, agora com atores não tão profissionais, mais próximos das pessoas com quem efetivamente convivemos, em poucos anos conseguiu dividir seu público em apenas duas categorias: os que gostam e os que dizem que não gostam.

Como nas novelas tradicionais, o entretenimento, objetivo alegado, serve de justificativa para incongruências temporais e relacionamentos impraticáveis na vida de verdade. O autor da novela pode preparar dois finais e escolher o mais conveniente para ir ao ar.

A diferença é que, na nova novela de realidade, a falta de transparência frustra o público que, pela interatividade oferecida, se sente na condição de eleitor.

Os telespectadores transferem para um show descompromissado seus anseios de democracia e valorização da opinião. Quando o resultado da apuração é diferente do levantado na boca-de-urna, o eleitor se decepciona e começa a desconfiar do sistema. Promete que nunca mais vai votar - até que o circo das próximas eleições conquiste sua atenção novamente.

Não importa se o vencedor é esse ou aquele. Em todos os aspectos, só há uma ganhadora. E ela pode tudo, até escolher o final mais conveniente para a novela. Quem acompanhou a história recente do país sabe do que ela é capaz.


Então acabou.

Este post mata George Aburrido, que pode ressuscitar nas próximas eleições. Tudo é possível.

 

Vênus de Goodyear

Para tristeza de Adoniran, Iracema foi embora. Sorte nossa. A mulher chegou com ares de quem se tornaria a nova ficante do Brasil, enfeitiçaria a homarada e ficaria, pelo menos, até a final. Dali para o estrelato nacional; da emissora laboratório para a matriz poderosa. Quem sabe, até, um programinha de sábado à tarde.

Puf. Perdeu a chance. O público criou a expectativa de que ela seria clone da japa caipira e se deu mal. Uma songa, total. Apesar de todos os esforços da mãe em dizer que a filhotinha não é daquele jeito, ególatra, inconseqüente, a imagem que ficou foi essa mesmo. E choramingante como tempero. Prato cheio para o Mr. Py. Deve ter material de sobra para estudo.

Vinda de pequenas glórias localizadas, chegou como modelo de estátua. Sai como futuro pôster de borracharia.

Talvez tenha faltado um anão de jardim esotérico para lhe despertar a verve.

 

 

Ruminante
Agora sim, esculhambou de vez. O apresentador quebrou a regra nº1 de aparição televisiva e a regra nº0 de boa edução: está mascando chiclete ao vivo, no vídeo, falando, conversando com os babaconfinados. Agora sim, agora vai. Será que se ele mastigar de boca aberta vai ser mandado embora igual aquele outro, da bolacha?
Grande Chefe

Vamos lá, vamos lá. Como você quer desperdiçar R$0,50? Se você acha que deve desperdiçar R$0,50 telefonando para uma máquina que vai acrescentar um ponto numa alternativa imbecil, ligue 99 99 99 99. Mas se você acha que seu rico dinheiro deve ser desperdiçado numa máquina que vai, supostamente, acrescentar um ponto numa alternativa idiota, ligue 88 88 88 88. Vamos lá, vamos lá, ligue agora, o tempo está acabando.

Ora, mas são só cinqüenta centavos? Então vou ligar também.

31, 31, 31, 31, 31

Um 31 para cada clique, como o velho 33 para o estetoscópio. Um 31 para cada peça de roupa tirada. A moça que leu os nomes dos sorteados no teleprompter vai virar pelada de revista. Reality show é assim - a fama efêmera vale pra todos, até pra quem fica do lado de fora.

Vai ficar sem graça
Oras, pombas.  Esse programa não tem diretor? Alô, seu diretor! Vai lá e dirige a bagaça. Desse jeito não dá, vai ficar sem graça. Primeiro tiraram aquele mariner que manipulava os outros. Agora vão tirar um dos dois cupinchas dele. Assim não dá, seu diretor! Interfere nesse negócio aí e manda tirar alguma songa daquelas, cuja única estratégia é se fingir de sombra. Tem que interferir, afinal o que vale é a audiência. É ou não é? Já pensou que marasmo, todo mundo amiguinho, saltitando pelo jardim, estamos felizes, vamos ficar ricos? Tem que manipular, senhor diretor!
Quale a dessa mocinha que entrou por ultimo? Inocente? Dirigida? Incognita.

 

O que é isto?
Visitante número: